DICAS PCDF - PORTUGUÊS

Queridos concurseiros e queridas concurseiras,

O concurso da PCDF se aproxima, e o nosso compromisso com vocês é imenso. Pensando nisso, estamos iniciando este projeto que contempla dicas do nosso grupo de excelentes professores, focadas em conteúdos que, certamente, estarão presentes na prova.

 

Diferença entre QUE (conjunção integrante) e QUE (pronome relativo)

 

O conhecimento da diferença entre QUE (conjunção integrante) e QUE (pronome relativo) é imprescindível. Veja as explicações a seguir.


Quero que você aprenda.   Substitua, mentalmente, a oração sublinhada por ISTO.

Quero ISTO.

 

Quando essa substituição é possível, podemos fazer algumas considerações:

 

1.      QUE é conjunção integrante (função morfológica).

                                                                                                          

2.      Lembre-se de que as conjunções NÃO possuem funções sintáticas.

 

3.      A oração sublinhada “que você aprenda” é SUBSTANTIVA, funciona como SUBSTANTIVO. Poderia ser reescrita como: “Quero sua aprendizagem”.

 

4.      A função sintática do ISTO, será a função sintática da oração. Em “Quero isto.”, ele funciona como OBJETO DIRETO, portanto teremos uma ORAÇÃO SUBORDINADA SUBSTANTIVA OBJETIVA DIRETA.

 


O aluno que estuda aprende. QUE (pronome relativo) = o(a) qual ou os(as) quais

O aluno O QUAL estuda aprende.

 

Quando essa igualdade acontece, podemos fazer algumas considerações:

 

1.      QUE é pronome relativo. (função morfológica)

 

2.      As orações sublinhadas “que estuda” e “o qual estuda” são ADJETIVAS, funcionam como ADJETIVO, caracterizam o aluno. O aluno “que estuda” é o aluno “estudioso”. Há uma ORAÇÃO SUBORDINADA ADJETIVA RESTRITIVA. Se viesse emoldurada por vírgulas (O aluno, que estuda, aprende.), haveria ORAÇÃO SUBOIRDINADA ADJETIVA EXPLICATIVA.

 

3.      Pronomes Relativos possuem funções sintáticas e podemos reconhecê-las em dois passos.

1º Substitua QUE pelo termo antecedente ao qual ele se refere.

“QUE estuda” – QUE faz referência a ALUNO. Teremos “O ALUNO estuda”.


2º A função sintática desse termo antecedente, na nova oração, será a função do pronome relativo QUE.

Em “O ALUNO estuda”, ALUNO funciona como núcleo do sujeito, portanto o pronome relativo QUE funciona como sujeito.

 

4.      A substituição do relativo QUE por O QUAL, A QUAL, OS QUAIS ou AS QUAIS, nas provas de redação, enriquece o texto, evitando o “queísmo” (repetição do quê).

 

 

Outros exemplos:

 

O aluno QUE encontrei passou.

 

1º “o aluno encontrei” = “(eu) encontrei o aluno”/ O ALUNO é objeto direto.

2º Dedução: QUE é objeto direto.

 

O aluno de QUE gosto passou.

 

1º “do aluno gosto” = “(eu) gosto do aluno” DO ALUNO é objeto indireto.

2º Dedução: QUE é objeto indireto.

 

Creio que essa dica contribuirá para a sua aprovação.

Prof. Walmir Neto/ Língua Portuguesa - Preparatório Objetivo Concursos

Instagram: @walmirsn

 

Gostou das dicas? Acompanhe essas e muitas outras de forma gratuita pelo nosso canal no YouTube

 

CLIQUE AQUI!

Compartilhar:

Tags: Blog, Notícias

Luis Cesar Felipe